Skip to main content

RESILIÊNCIA








RESILIÊNCIA

À somatória de competências de quem consegue manter ou recuperar sua essência emocional, após um trauma ou situação limite, dá-se o nome de resiliência.

Original da física, este termo define a propriedade da matéria voltar ao seu estado original após algum tipo de deformação. Ainda é cedo para avaliar os traumas decorrentes do confinamento dos mineiros, mas temos razões de sobra para afirmar que, pela dimensão do ocorrido, a resiliência foi um dos grandes fatores de sucesso dessa grande história.

O pesquisador George Souza Barbosa, na sua tese de doutorado em Psicologia Clínica, define resiliência como a combinação de sete competências humanas:

A administração das emoções, que é a habilidade de manter a serenidade diante de situações de estresse como uma espécie de termostato, que orienta o comportamento conforme as pistas dadas pelo estado emocional dos outros. Se está muito quente, ele ajuda a esfriar e vice-versa.

Controle de impulsos, que é a capacidade de regular a intensidade dos estímulos nervosos e musculares que, somatizados, tendem a se transformar em desconforto e dor.

Otimismo, que fortalece a crença de que as coisas podem, precisam e devem mudar para melhor, o que nos devolve, ao menos em parte, o poder de decisão tido como perdido.

Análise do ambiente, que ajuda na identificação precisa das causas do problema e da adversidade presente. Um fator racional, que nos motiva na busca de lugares mais seguros e de menos risco.

Empatia traduz a capacidade de compreensão das emoções e sentimentos dos outros. Além de um exercício de compaixão, ajuda na tomada de decisões e na escolha de melhores argumentos.

Auto eficácia refere-se à necessidade de sermos eficazes na solução dos próprios problemas, por meio dos recursos de que dispomos, em nós e no ambiente.

Alcançar pessoas refere-se à capacidade de formar fortes redes de apoio, vinculando-se a outros, sem medo do fracasso.

A emocionante história dos mineiros chilenos testemunhada pelo resto do mundo tende a deixar muitas lições no campo do autoconhecimento e da liderança. Quem viver, verá, nas telas do cinema. Ou lerá nos best-sellers que vêm por aí.

À somatória de competências de quem consegue manter ou recuperar sua essência emocional, após um trauma ou situação limite, dá-se o nome de resiliência.

Original da física, este termo define a propriedade da matéria voltar ao seu estado original após algum tipo de deformação. Ainda é cedo para avaliar os traumas decorrentes do confinamento dos mineiros, mas temos razões de sobra para afirmar que, pela dimensão do ocorrido, a resiliência foi um dos grandes fatores de sucesso dessa grande história.

O pesquisador George Souza Barbosa, na sua tese de doutorado em Psicologia Clínica, define resiliência como a combinação de sete competências humanas:

A administração das emoções, que é a habilidade de manter a serenidade diante de situações de estresse como uma espécie de termostato, que orienta o comportamento conforme as pistas dadas pelo estado emocional dos outros. Se está muito quente, ele ajuda a esfriar e vice-versa.

Controle de impulsos, que é a capacidade de regular a intensidade dos estímulos nervosos e musculares que, somatizados, tendem a se transformar em desconforto e dor.

Otimismo, que fortalece a crença de que as coisas podem, precisam e devem mudar para melhor, o que nos devolve, ao menos em parte, o poder de decisão tido como perdido.

Análise do ambiente, que ajuda na identificação precisa das causas do problema e da adversidade presente. Um fator racional, que nos motiva na busca de lugares mais seguros e de menos risco.

Empatia traduz a capacidade de compreensão das emoções e sentimentos dos outros. Além de um exercício de compaixão, ajuda na tomada de decisões e na escolha de melhores argumentos.

Auto eficácia refere-se à necessidade de sermos eficazes na solução dos próprios problemas, por meio dos recursos de que dispomos, em nós e no ambiente.

Alcançar pessoas refere-se à capacidade de formar fortes redes de apoio, vinculando-se a outros, sem medo do fracasso.

A emocionante história dos mineiros chilenos testemunhada pelo resto do mundo tende a deixar muitas lições no campo do autoconhecimento e da liderança. Quem viver, verá, nas telas do cinema. Ou lerá nos best-sellers que vêm por aí.

O modelo conceitual de Risco e Resiliência foi objeto de preocupação dos pesquisadores e planejadores de programas durante a década passada.

O conceito considera que o estresse é uma experiência universal; a maneira pela qual o indivíduo reaje não depende tanto dos agentes estressantes, mas dos recursos disponíveis para lidar com eles. Também considera que os eventos negativos não são experiências raras; e tais experiências nem sempre levam o indivíduo a uma vida de privação.

Em outras palavras, a pesquisa em resiliência indaga porque alguns, criados em circunstâncias adversas, parecem viver saudável e produtivamente, enquanto outros parecem nunca superar as adversidades experimentadas durante os primeiros anos de vida.

O conceito não implica em saúde mental; nem sugere que os resilientes têm uma vida mais feliz. Isso não é necessariamente verdade.

Em última análise, resiliência tem sido definida como"a capacidade de recuperar e manter um comportamento adaptado após um dano".

O conceito de risco manteve-se confuso durante as duas últimas décadas, pois havia duas idéias diferentes inseridas em uma única expressão. Confundia-se o adolescente em "situação de risco" com aquele que tinha "comportamento de risco".

Dentro de um quadro de risco e resiliência, os fatores de risco estão menos relacionados às conseqüências do comportamento e mais aos fatores que limitam a probabilidade de sucesso, enquanto expor-se ao risco focaliza o comportamento propriamente dito.

O conceito de risco teve sua origem no seguro marítimo, que se baseava em dois fatores: a) qual a possibilidade de uma viagem com sucesso; e b) que fatores eram importantes para determinar esse sucesso. No setor saúde, os princípios da epidemiologia derivam do conceito de risco. Implícita nesta noção está a procura de qualidades predísponíveis, fatores potencializadores e fatores protetores -elementos-chave para o desenvolvimento de programas.

Muitas pesquisas mostraram que determinados aspectos estão intimamente relacionados a fatores de risco e a fatores protetores. Por exemplo, pobreza, famílias abusivas, famílias alcoólatras, ausência de lar, doenças crônicas/inabilidades, maternidade na adolescência, delinqüência juvenil, são fatores de risco (veja quadro).

Como se pode observar, examinando o quadro acima, a estruturação da resiliência está intimamente ligada com a prevenção. Se sabemos o que expõe um indivíduo ou um grupo em situação de risco a determinado evento negativo e se sabemos quais os fatores que podem amortecer tais eventos, estamos aptos a desenvolver programas que favoreçam a resiliência e minimizem o risco.

Algumas estratégias (por exemplo, treinamento de aptidões para a vida) são centradas na pessoa. Os pesquisadores identificaram quatro intervenções:

1. Redirecionamento do impacto do risco;

2. Redirecionamento da reação, que se faria por uma trajetória negativa;

3. Desenvolvimento da auto-estima e do poder de ações positivas (auto-eficácia), por meio de relações pessoais, de novas experiências e de aprendizagem para suplantar desafios;

4. Criação de oportunidades que permitam ao indivíduo ter acesso a recursos.

O modelo de desenvolvimento social incorpora essas quatro dimensões. É baseado na criação de habilidades para a vida, mas reconhece a necessidade da participação do ambiente que cerca o indivíduo (escola, família e comunidade), provendo-as com reforços de cada unidade, valorizando a aquisição de novas aptidões.

O conceito de "necessidade de ajuda" supõe a noção de que aqueles elementos que contribuem para o ganho social (família ou comunidade), através do cumprimento de obrigações bem sucedidas, são reconhecidos.

Baseados na literatura, os elementos-chave para a resiliência podem ser resumidos no modelo PCAP (do inglês People, Contribution, Activities, Place).





Mais vistas

CÓDIGO IDENTIFICADOR DE BANCOS(SWIFT)

O Conceito de  Swift CodeO Swift Code é um código que serve para identificar os bancos mundo afora, ele possui sempre 11 digitos e cada banco que existe no mundo possui um Swift Code único. Muitas vezes grandes bancos de extensão nacional ou continental, possuem mais de um Swift Code, cada código ficando relacionado a uma determinada cidade ( a principal cidade da região ). Quando o gerente do seu banco não souber informar a qual região o banco onde você tem a conta pertence, tente usar no Adsense o código da cidade mais próxima entre as cidades da lista. Se nenhuma das cidades da lista fica próxima a sua cidade, tente usar o Swift Code da região Head Office, esse código é como se fosse o código principal do banco e muitas vezes dá certo usa-lo como coringa. Swift Codes para o Banco Bradesco S.A.Swift Code ( Código Swift )Cidade RelacionadaBBDEBRSPBHEBelo Horizonte – MGBBDEBRSPBLMBelem – PABBDEBRSPBNUBlumenau – SCBBDEBRSPBSABrasília – DFBBDEBRSPCASCampinas – SPBBDEBRSPCTACuritiba …

COMO ATRAIR UM AMOR

Visualize este video regularmente para criar um campo de atração forte e pergunte para si mesmo se "É este o sentimento exacto que sinto, quando o meu desejo estiver manisfestado?" Se não for, tente sentir as sensações fisicas, o toque, o perfume, a pele, o carinho, o amor...
A LEI DA ATRAÇÃO FUNCIONA EM TUDO NA VIDA...BASTA PENSAR,SENTIR E DESEJAR!
Através desta lei você pode atrair um amor,dinheiro,felicidade,amizade,trabalho,virtudes,prosperidade,outros...





COMO ATRAIR DINHEIRO 





COMO ATRAIR RIQUEZAS

















                                                    O canal do conhecimento by jspontes









Widget Tradutor com Bandeiras
Conheça o melhor curso de internet marketing do brasil e apaixone-se!




EPIGENÉTICA E HOMOSSEXUALIDADE

Português - InglêsPortuguês -FrancêsPortuguês -AlemãoPortuguês - ItalianoPortuguês -PortuguêsPortuguês - RussoPortuguês - Espanhol



Dedicated:

TelexFREE VoIp

Epigenética e homossexualidade Então, na semana passada, contou com um monte de notícias sobre um artigo que saiu no Quarterly Review of Biology intitulado "Homsexuality como conseqüência de epigeneticamente canalizado Desenvolvimento Sexual". Os autores foram Bill Rice (UCSB), Urban Friberg (Uppsala U), e Sergey Gavrilets (U Tennessee). O papel tem um pouco de imprensa. Infelizmente, a maioria de que a imprensa era de má qualidade bonita, mal deturpar o conteúdo real do papel. (PDF disponível aqui .) eu vou andar pela via da argumentação do jornal, mas se você não quiser ler a coisa toda, aqui está o tl; dr: Este artigo apresenta um modelo. É uma teoria papel.Qualquer jornalista que escreve que o papel "demonstra" que a homossexualidade é causada por herança epigenética do pai sexo oposto ou 1) está invocando um…